“Em meu nome expulsareis os demônios”

Parte I; Parte II; Parte III

A importância da expulsão dos demônios é muito grande: para demonstrar que Cristo é o mais forte; tem autoridade de destruir o reino de Satanás e para instaurar o Reino de Deus; pode levar definitivamente a vida dos homens para Deus, através da Sua pregação. Para continuar essa obra de redenção da humanidade, destruindo as obras de Satanás e libertando o homem da escravidão do demônio, esse “sinal” deveria continuar. Jesus, então, transmitiu esse poder aos doze apóstolos, depois aos setenta e dois discípulos e, finalmente, a todos os que acreditam nEle.

Marcos fala dele em primeiro lugar, como o primeiro dos poderes conferidos aos apóstolos. “Designou doze dentre eles para ficar em sua companhia. Ele os enviaria a pregar, com o poder de expulsar os demônios” (Mc 3,14-15); “Chamou os doze e começou a enviá-los, dois a dois; e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos. Expeliam numerosos demônios, ungiam com óleo a muitos enfermos e os curavam” (Mc 6,7.13).

A linguagem dos outros evagelistas – Mateus e Lucas – é bastante semelhante. “Jesus reuniu seus doze discípulos. Conferiu-lhes o poder de expulsar os espíritos imundos e de curar todo mal e toda enfermidade” (Mt 10,1); “Por onde andardes, anunciai que o Reino dos céus está próximo. Curai os doentes, ressuscitai os mortos, purificai os leprosos, expulsai os demônios. Recebestes de graça, de graça daí!” (MT 10,7-8); “ Reunindo Jesus os doze apóstolos, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios, e para curar enfermidades” (Lc 9,1).

Como se vê nestes testemunhos em comum, trata-se de um poder de autoridade a que o Mestre dá uma importância particular. Em um segundo tempo, o mesmo poder é estendido aos setenta e dois discípulos. Veja que, embora o poder de expulsar os demônios e de curar os doentes apareçam juntos muitas vezes, o primeiro é destacado com relevância especial em relação ao segundo. Aliás, quando os setenta e dois discípulos regressam da sua missão e relatam o seu êxito ao Divino Mestre, demonstram que tinham ficado impressionados, sobretudo, pelo domínio exercido sobre os demônios: “Senhor, até os demônios se nos submetem em Teu nome! (Lc 10,17).

Jesus aproveita este entusiasmo para realçar a derrota do demônio, dizendo: “Vi Satanás cair do céu como um raio” (Lc 10,18). Mas ao mesmo tempo, dá uma lição importante: “Eis que vos dei poder para pisar serpentes, escorpiões e todo o poder do inimigo. Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos estão sujeitos, mas alegrai-vos de que os vossos nomes estejam escritos nos céus” (Lc 10,19-20). É claro que Jesus tem muita responsabilidade na derrota de Satanás.

A primeira carta de João tem algumas expressões muito fortes: “Nisto é que se distinguem os filhos de Deus dos filhos do diabo” (1Jo 3,10); “Quem comete pecado é do diabo porque o diabo peca desde a origem. Para isto se manifestou o Filho de Deus para destruir as obras do diabo” (1Jo 3,8); e ainda: “Nós bem sabemos que todo aquele que nasceu de Deus não peca, mas o Filho de Deus o guarda e o maligno não o apanha” (1Jo 5,18)

É um grande poder o de expulsar os demônios, mas é um poder maior o de não se deixar seduzir por ele. Sobre este fim, Mateus relata um juízo tremendo: haverá quem tenha poder de mandar os espíritos imundos, mas isto não bastará para salvar a alma: “Muitos me dirão naquele dia: “Senhor, Senhor, não foi em teu nome que profetizamos, em teu nome que expulsamos os demônios e em teu nome que fizemos muitos milagres?. E, então dir-lhes-ei: “nuca vos conheci ! Afastai-vos de mim, vós que praticais iniqüidade! (Mt 7,22-23). É de supor que até Judas tenha feito milagres e expulsado os demônios; e, no entanto, “Satanás entrou nele”. Eis por que não devemos gloriar-vos dos poderes que o Senhor nos quiser dar, mas sim do fato dos nossos nomes estarem escritos no céu.

Marcos conclui o seu Evangelho com as Palavras de Jesus, que se estendem a todos os que acreditam nEle que tem o poder de expulsar os demônios: “Estes sinais acompanharão aqueles que acreditam: em meu nome expulsarão demônios” (Mc 16,17)

Em Atos dos Apóstolos vemos que, rapidamente, os discípulos de Jesus continuaram a exercer os poderes que o Mestre lhes tinha conferido. Em relação aos apóstolos: “ A multidão vinha também das cidades próximas de Jerusalém, transportando enfermos e atormentados por espíritos malignos e todos eram curados” (Mc 5,16). Em relação ao diácono Filipe: “Ao ouvi-lo falar e ao vê-lo realizar milagres, as multidões aderiram unanimemente à pregação de Filipe. De fato, de muitos possessos saíam malignos, soltando grandes gritos” (Mc 8,6-7).

São mais numerosos os episódios relativos a São Paulo. Basta-nos recordar estes dois: “Encontramos uma escrava que tinha um espírito pitônico e que dava muito lucro aos seus donos exercendo a adivinhação. […] Por fim, já agastado, Paulo disse ao espírito: “Ordeno-te, em nome de Jesus Cristo, que saiais desta mulher”. E o espírito saiu imediatamente” (At 16,16-17). “Deus faz milagres extraordinários por intermédio de Paulo, a tal ponto que bastava aplicar aos doentes os lenços e as roupas que tinham estado em contato com seu corpo para que as doenças e os espíritos malignos os deixassem” (At 19,11-12).

Terminada a formulação fundamenta do tema, solidamente baseada na Escritura, passemos a algumas breves considerações sobre a prática dos exorcismos na história da Igreja primitiva; devemos nos contentar com algumas indicações, nos dirigindo às obras especializadas para quem quiser se aprofundar no assunto.

As primeiras grandes linhas gerais são estas. No início da Igreja, todos podiam expulsar os demônios, tendo como base o mandamento de Cristo. Foi um fato de grande alcance apologético, porque colocou os cristãos em confronto com os exorcistas pagãos; veremos adiante o seu valor. Rapidamente, os exorcismos começaram a ser reservados a classes particulares de pessoas: no Oriente, prevaleceu o reconhecimento de um carisma especial; no Ocidente, afirmaram-se os exorcistas, de nomeação eclesiástica. Em ambos os casos, o exorcismo foi se desenvolvendo, ao longo do tempo, em duas formas distintas: como oração autônoma, voltada para a libertação dos obsessos; como oração fazendo parte do Sacramento do Batismo.

Uma premissa indispensável a levar em consideração é que todos os povos, antigos e modernos, conservaram a sensibilidade com relação à existência dos espíritos maléficos descritos e combatidos segundo a sua cultura. Encontramos práticas exorcistas ente os antigos povos da Assíria, da Babilônia e do Egito. O povo hebreu não estava isento a elas: no Livro de Tobias é o Arcanjo Rafael que liberta Sara; Jesus fala claramente de exorcistas hebreus (Lc 11,19); encontramos notícias deles em Flávio Josefo, historiador judeu-romano. Desde sempre, em todos os povos, magos e bruxos pretenderam poder controlar os espíritos maléficos, uma vez que encontramos a sua atividade em todos os tempos e lugares.

Eis, um primeiro motivo de caráter apologético, realçado pelos primeiríssimos autores cristãos: confrontando os exorcistas pagãos com os exorcistas cristãos, evidencia-se o poder de Cristo. Diz Justino, em primeiro lugar, quando escreve: “Cristo nasceu por vontade do Pai para Salvação dos que crêem e para ruína dos demônios. Podeis criar a vossa convicção por aquilo que vedes com os vossos olhos. Em todo o universo e na vossa cidade (Roma) há numerosos endemoninhados que os outros exorcistas, encantadores e magos não puderam curar; pelo contrário, muitos de nós, cristãos, ordenando- lhes em nome de Jesus Cristo, crucificado sob Pôncio Pilatos, temos curado estas pessoas, reduzindo à impotência, os demônios que possuíam os homens” (II Apologia, VI, 5-6). É um texto precioso pela sua antiguidade (meados do século II) e pela fórmula de exorcismo que transcreve.

O mesmo Justino apresenta-nos um texto ainda mais completo no Diálogo com Trifão: “Qualquer demônio que receba uma ordem em nome do Filho de Deus – gerado antes de toda a criatura, que nasceu de uma Virgem, se fez sujeito à dor, foi crucificado pelo vosso povo sob Pôncio Pilatos, morreu e ressuscitou dos mortos e subiu ao céu – , qualquer demônio, afirmo, que receba uma ordem por força deste nome, é vencido e subjugado. Mas experimentai vós esconjurar por todos os nomes dos reis, dos justos, dos profetas ou patriarcas que estiverem entre nós, e vereis que um só demônio fugirá vencido”

Também Irineu testemunha: “ Com a invocação do nome de Jesus Cristo, que foi crucificado sob Pôncio Pilatos, Satanás é expulso dos homens”. É interessante notar que as fórmulas de exorcismo partem das palavras usadas por Jesus ou por Paulo, mas, depois, enriquecem-se com os principais episódios da vida de Cristo, de modo a também influenciar na formação das primeiras profissões de fé.

Tertuliano confirma a eficácia com a qual os cristãos libertam os demônios, tanto os próprios cristãos quanto os pagãos. É também o primeiro a indicar alguns dos gestos usados, como a imposição das mãos e o sopro da boca; e confirma que a força do exorcismo é dada pelo ato de pronunciar o nome de Cristo. São elementos que entrarão no Rito Batismal.

A igreja antiga, obediente ao poder recebido de Cristo, não só exerceu o poder exorcístico sobre os obsessos e sobre aqueles que eram escravos de instintos maus, mas também fazia exorcismos sobre a vida social, impregnada de idolatria e de influência maléficas. Tertuliando afirma-o explicitamente: “Se não fôssemos nós, quem poderia subtrai-vos ao influxo maléfico daqueles espíritos que se insinuam ocultamente e corrompem os vossos corpos e as vossas mentes? Quem poderia libertar-vos dos assaltos poderosos das forças demoníacas?”.

O demônio sempre exerceu esta influência nefasta na sociedade, além de usá-la nos indivíduos. Para o nosso tempo, limito-me a citar um trecho tirado de um dos três discursos do Papa Paulo vI sobre o diabo (23 de fevereiro de 1977): “Então, não será de admirar que a nossa sociedade se degrade do seu nível de autêntica humanidade à medida que progride nesta pseudomaturidade moral, nesta indiferença, nesta insensibilidade à diferença entre o bem e o mal, e que a Escritura cuidadosamente nos advirta que todo o mundo (no sentido pior que estamos a observar) jaz sob o poder do maligno”.

É caloroso o testemunho de São Cipriano a respeito do poder dos exorcismos: “Vem ouvir com os teus próprios olhos nos momentos em que, cedendo aos nossos esconjuros, aos nossos flagelos espirituais e à tortura das nossas palavras, abandonam os corpos de que se tinham apoderado… Veras como estão dominados sob a nossa mão e como tremem em nosso poder aqueles que tu colocas tão alto, honrando-os como senhores” (Contra Demétrio, C, 15). Na verdade, vemos, em todas as vezes, que as palavras de exorcismo são para o demônio uma tortura cada vez mais insuportável, superior às suas penas infernais, segundo a sua própria confissão.

Orígenes, escrevendo contra Celso, fala da força do nome de Jesus para expulsar os demônios: “A força do exorcismo assenta no nome de Jesus, que é pronunciado enquanto, ao mesmo tempo, se anunciam os fatos relativos à Sua vida. “Orígenes acrescenta também novos elementos em relação ao predecessores. Diz-nos que, no nome de Jesus, se podem expulsar os demônios, não só das pessoas, mas também das coisas, dos lugares e dos animais. E insiste, contra o uso dos magos, que os cristãos não fazem nenhum sortilégio, nem usam fórmulas secretas; mas exprimem a sua fé na força do nome de Jesus.

Escreve Righetti no seu manual de história litúrgica: “Toda a literatura cristã dos três primeiros séculos se reporta freqüentemente à obra daqueles irmãos na fé que, dotados de um carisma particular, exorcizavam segundo uma advertência de Jesus, com a oração e com o jejum. Cada comunidade devia possuir um bom número deles, pouco a pouco, formaram uma corporação à parte, com o Nemo de exorcistas, e bem depressa tiveram o reconhecimento oficial nas categorias do clero menor. Com isso, a Igreja providencia no sentido de privilegiar claramente os seus exorcistas que operavam com clara intenção e em nome de Cristo, dos charlatões e bruxos pagãos. Os Cânones de Hipólito alertam contra eles e proíbem, absolutamente, o seu acesso à fé” (Righetti, Manuale di Storia litúrgica, Ancora, 1959, p 406).

É algo que a Igreja de hoje teria tudo a aprender, quer no que se refere à seleção de um número suficiente de exorcistas que satisfizesse os pedidos dos fiéis, mas também para alertar contra os charlatões, bruxos e magos que hoje tanto falam as publicidades dos jornais e algumas transmissões televisivas. Nunca se fala deles nas igrejas.

Em Roma o exorcista já era uma ordem menor em meados do século IV. Temos um primeiro testemunho dele numa carta que nos é transmitida por Eusébio, em que o Papa Cornélio nomeia os exorcistas, depois os acólitos, seguidos dos leitores e dos ministros da Eucaristia.

Outra preocupação de que rapidamente a igreja cuidou foi a de fazer a distinção entre os verdadeiros endemoninhados e os indivíduos apenas doentes, ou seja, a preocupação de dar um diagnóstico correto. Com esta finalidade, bem cedo os bispos foram encarregados de se pronunciar a respeito deste assunto. No ano de 416, o Papa Inocêncio I, declarava que os diáconos ou sacerdotes só podiam fazer exorcismos com autorização episcopal.

Se quisermos examinar os vários elementos que compunham o exorcismo desde os tempos mais antigos, além da oração dirigida ao Senhor para que viesse em auxílio do possesso e da ordem dada ao demônio em nome de Cristo, de que já falamos, podemos acrescentar alguma coisa sobre os gestos. Começaram logo, pó se afirmar: a imposição das mãos, usada pelo próprio Jesus sobre os endemoninhados de Cafarnaum; o sinal-da-cruz, de que Lactâncio (†317) nos afirma a eficácia; o sopro da boca, que é testemunhado por Tertuliano e por Dionísio de Alexandria; o jejum, sugerido pelo próprio Senhor, juntamente com a oração (Mt 17,21); a unção com óleo, que sabemos de uso corrente em todos os doentes e que se mostrava também eficaz com os possessos. Por exemplo, os Santos Monges Macário e Teodósio livraram os energúmenos por meio das unções. Acrescentamos, agora, o suo da cinza e do cilício que, em grande medida, faziam parte da disciplina penitencial.

Alguns séculos mais tarde acrescentaram-se outros dois usos, que se tornaram de importância primordial e persistiram até hoje: a água-benta que era desconhecida do ritual antigo e a imposição da estola sobre os ombros do exorcizado, introduzida depois do século X. Foi aconselhada também,cada vez mais, a comunhão Eucarística que era administrada geralmente no fim da Missa, celebrada propositadamente para que o exorcismo tivesse êxito feliz.

As fórmulas de exorcismo, como já vimos inicialmente eram bastantes simples. As fórmulas agora em uso e que entraram no Ritual publicado em 1614 são, na realidade, dos finais do século VIII, compiladas por Alcuíno († 804), exceto algumas poucas preces acrescentadas posteriormente. Atualmente estão difundidas nove fórmulas, emanadas provisoriamente, ad experimentum, pela comissão encarregada expressamente de atualizar esta parte do Ritual; as novas fórmulas definitivas foram estabelecidas em 1999 (data da publicação do Ritual)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s